sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Falta presente: Eu ou você?

Eu estava ali...
Eu continuo ali...
Me entregando a esses devaneios...
Te tocando nos meus sonhos.
Mas ao acordar, estou tocando o vazio absoluto!
Minha respiração vai se tornando densa,
Pois algo comprime meu coração.
Algo que põe em evidência a meu não ajustamento,
Algo que presentifica a sua falta,
Abrindo novamente o buraco em meu peito!
Me fazendo sangrar vagarosamente.
Eu estava ali...
E eu continuo ali...
Procurando por alguma coisa que faça suplência a essa falta,
Falta essa marcada profundamente em mim...
E se está marcada em mim, essa falta não é de você!




Estando certa que carrego a marca da falta, busco por algo que dê suplência à ela. Interlizando a idéia que o amor não é completude, pois não faz união de dois em um, mas faz juntão de um e um, cada ser humano único e singular, caminhando juntos em caminhos separados.
Tendo essa visão, sou capaz de saber que o amor sozinho não me fará completa, tão pouco feliz... Tal completude é irreal, na medida que é na necessidade de suprir essa falta que não permaneço estacionada, que tenho desejos e procuro a satisfação desses...
Assim eu procuro por algo mais, algo a mais...


A.C.S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário