sexta-feira, 5 de setembro de 2014

So, cry now


No silêncio você chora,
Chora pela noite, chora pelo frio, chora pela solidão...
Ah, a solidão... única e terna companhia.
Aquela que te abraça nas longas e frias madrugadas sem sono.
Enquanto sozinho você faz promessas a si mesmo das quais não pode cumprir.
O caminho é solitário, e ninguém pode percorrê-lo por você...
E as lágrimas confessam a dor que as palavras não podem confessar.
As vezes é preciso apenas deixar ir, e deixar que o tempo cure toda a dor.
Mas você não quer sentir...
Pois se torna difícil se mover a cada dia com todas essas cicatrizes ao longo da vida.
Então você se recusa a ficar ficar sozinho,
Fecha seus olhos e faz uma oração...
Respira fundo, mas nada acontece.
Alguém te ouve?
Você é capaz de ouvir a si mesmo?
Nega o tempo todo o remédio para sua doença.
Então chora...
Chora por ser incapaz de renascer... de transcender... de sentir qualquer coisa para além da sua
dor.
Pegue minha mão...
Atravessarei céus e infernos se necessário para anestesiar sua dor.
Fique comigo...
E o ar frio da noite não mais te alcançará.
Seja em mim o antídoto que me fará respirar novamente e eu serei em você a cura para todas as suas noites de solidão.


A.C.S.


Nenhum comentário:

Postar um comentário