quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Um olhar sobre de si...

Ainda sou daquelas que prefere a solidão a um relacionamento superficial. E ao meu ver, as relações de maneira geral estão cada vez mais superficiais. "Sou eu e meu avessos", mas nunca vou contra aquilo que eu acredito, tão pouco vou contra a minha ideologia de vida. Faço as coisas que me dão prazer em fazer. Valorizo quem tem atitude e opinião própria e não seguem o que a massa prega. Porque não basta ser apenas mais um rostinho bonito e inteligente, é preciso ter CARÁTER.
Uma vez alguém me disse que o tempo não passa, que somos nós quem passamos no tempo. Quando penso em como algumas coisas passam e outras não, percebo como o tempo é líquido, pois ele escorre por entre meus dedos, sem ao menos me dar conta que isso acontece. Quando acordo pra vida, as oportunidades já se foram, o prazo já acabou, mais um dia se foi, mais um mês passou, mais um ano terminou, e eu não consegui sugar e aproveitar tudo o que me foi proporcionado de maneira integral. Muitas vezes por medo de tentar, por medo de não ser suficientemente boa. E a vida passa e com ela a chance de ser feliz naquele momento. Porque a oportunidade não bate duas vezes na mesma porta.
Não abro mão de privacidade, de ter meu espaço para poder fazer, dizer, ser e agir da maneira com me agrada. Precisamos ter um lugar onde possamos nos sentir bem, onde possamos dizer que é ali que pertencemos. E este LUGAR não é apenas um
espaço físico, mas é também um grupo de pessoas da qual nos identificamos.
“Erro técnico sim, erro ético nunca”. Acredito que só é possível acertar, depois de tentar e errar algumas vezes. Precisamos ter responsabilidade para assumir os nossos erros e nossos acertos, pois ambos geram consequências futuras. Ganhei o status de ousada para alguns, por simplesmente me jogar e ver até onde consigo chegar. Não preciso que ninguém me cobre ou me julgue, eu mesma já faço isso o suficiente. Estou em um processo de experimentação, quero provar um pouco de tudo, saber que gosto tem, para poder dizer se gosto ou não.
“O importante é ser você, mesmo que seja estranho, seja você mesmo que seja bizarro”. O que movimenta é o desejo! O desejo de apenas VIVER! E isso inclui a profissão da qual eu escolhi, as amizades, os amores e a família. O que move é acreditar que ainda existem pessoas das quais vale a pena, que ainda existem causas das quais vale a pena lutar, o que me move é a esperança, é a certeza de que eu posso confiar em mim, e com isso posso construir relações concretas e verdadeiras.
As vezes tenho a impressão que estou me tornando uma ilha, o cantato com as pessoas está se tornando cada vez mais massante. A ignorância é uma dádiva! Não faço o mínimo de esforço em me relacionar com pessoas das quais não possam me acrescentar em nada, que suas maiores preocuapações é em que festa vão ir, o que vão vestir, com quem vão ‘ficar’. Pessoas que se aproximam de outras apenas para tirar algum proveito. Quanta hipocresia! O que mais posso querer de alguém além de uma boa companhia e de bons momentos ao lado dela? Nada! Porque só isso me basta, a certeza de ter alguém por inteiro ao seu lado.


A.C.S.