sexta-feira, 3 de junho de 2011

Além dos que seus olhos podem ver - Parte II

Durante muito tempo tentei ser aquela pessoa moralmente correta, sempre aplicada, buscando dar o melhor de si em tudo o que faz. Mas infelizmente estou pagando um preço alto por isso.

Acabei me tornando aquela super sincera com os outros, mas que se recusa a escutar a si mesma: "Eu acordo de manhã, e coloco minha máscara, a que vai me fazer passar por outro dia, realmente não importa como eu me sinto por dentro, porque a vida às vezes é como um jogo..."

Hora de ser honesta!

Dessa vez estou sangrando...

Nunca imaginei que chegaria nesse ponto. Me sinto exausta, sinto que cheguei ao meu limite. A garota que sempre tirou notas boas, aquela que nunca pegou PF ou deixou de estudar para sair com os amigos, se sente fracassada, pois é chegada a hora em que ela própria se percebe se boicotando, na reta final do semestre, e os trabalhos vão se acumulando... e ela sente que pela primeira vez
não vai dar conta, mas não por falta de capacidade, por falta de vontade.

E ainda existem aqueles que a julgam dizendo que ela brinca com Deus, pobres mortais, não conseguem ver que cultuam o Deus errado. Ele estará feliz em vê-la tomando seu sofrimento sem ao menos tentar se libertar dele? Estará feliz Ele ao vê-la se despir da responsabilidade dos seus atos e escolhas e a ver o responsabilizando por todas as coisas?

Será mesmo essa vontade de Deus?

Que nos encarceremos no manto do conformismo, que nada façamos para romper com as algemas do sofrimento, e que continuemos buscando a felicidade utópica? Ou será que o que Ele realmente quer é que desejemos apenas viver? Prontos para receber o que vida tiver a oferecer... seja perdas, ou conquistas... apenas viver...

A.C.S.