sexta-feira, 5 de maio de 2017

Sobre "aqueles dias"



Sobre "aqueles dias"
Estou de volta ao ciclo vicioso,
Andando em círculos,
Incapaz de chegar a lugar algum.
Não importa o quanto eu tente, sou tragada pra baixo.
E a decepção me corrói,
Me consome.
Abrindo espaço para o desespero.
Não há para onde ir, nem a quem recorrer...
É como se andasse em uma corda bamba,
Sobre um precipício,
Aguardando a hora da queda:
Por quanto tempo mais irei aguentar?

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Encruzilhada, de um outro caminho.

De repente tudo pelo qual você passou seus últimos 10 anos sonhando e lutando por, perdem o sentido...
E com quase 30, não tem mais para onde correr, fugir ou se esconder. E há duas opções recorrentes em sua mente: continuar insistindo em algo que não tem te dado retorno ou desistir?
Durante muito tempo eu pensei que fraco era quem desistia de uma batalha, mas hoje eu percebo que é preciso de muita coragem para desistir.
Desistir do ideal que você construiu ao longo dos anos;
Desistir de tudo o que você sabe e conhece;
Desistir e recomeçar do zero... over and over and over again!
Desistir da vida que você tanto quer... Mas pera aí... essa não é a vida que eu sonhei pra mim, sempre tendo que recomeçar, como se tudo o que já houvesse feito não contasse...

Mas alguém me disse que...

DESISTIR NÃO É ACABAR; É SE DAR UMA CHANCE DE COMEÇAR DE UMA FORMA DIFERENTE.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Teenager


Engraçado como algumas coisas influenciam de maneira certeira na maneira como nos sentimos. É o que algumas pessoas chamam de entrada da alma né? Olhos, ouvidos...
Hoje me senti uma adolescente, todas  aquelas sensações de desajustamento do personagem do filme, de repente estavam em mim.
Senti uma tristeza tão grande! Uma sensação de não pertencimento.
Alguns sentimentos são difíceis de superar, e eu me pergunto... São eles que não nos deixam? Ou, nós que não deixamos eles?
Mas como diz Scorpions "estou no meu caminho de casa, ontem parece há muito tempo, há muito tempo atrás".
Estamos sempre em busca do nosso lugar, e acho que isso independe de idade, pois é uma questão de construção, nós construímos quem somos, e nos transformamos a cada estação, e em cada parada procuramos um lugar no mundo onde poderemos chamar de nosso.


None.


domingo, 29 de janeiro de 2017

Manuscrito


Quando as luzes se apagam, e tudo o que nos resta é o silêncio, quem realmente somos?
Quando a sala se esvazia, quando já não há mais ninguém em casa, quem de fato somos?
Quando o sono vai embora, e o barulho na minha cabeça não me deixa dormir, uma questão ecoa no mais íntimo de meu ser... "Onde eu estava mesmo?"
É como um manuscrito, que o vento espalhou as páginas antes de serem numeradas, e as pressas são juntadas sem serem revisadas.
A estória se perde, já não existe mais nexo. E o elo que une está entre as páginas de um livro que eu não consigo mais ler.


None.