quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Nua

Solidão... incostância... medo... morte... desespero... experiências inerentes a vida do homem. Sentimentos ora bons, ora não tão bons assim... E o que fazer diante disso tudo? Se alguém souber, me passa cola? Porque isso não se aprende na escola!!
Rima tosca... mas enfim...
Sou eu e meus avessos, e estou aqui hoje pra falar sem rodeios... Então porque será não falei nada até agora?
Talvez porque não seja de bom tom despejar um conteúdo sem antes explicar a necessidade de se fazer isso. Ou talvez porque não esteja preparado o suficiente pra pôr pra fora aquilo do mais íntimo do meu ser. É difícil admitir que na verdade, é na verdade... você não está convicto das escolhas que você fez, tão pouco tem convicção de que está disposto a pagar o preço por cada uma delas.
É, estou passando por mais um estágio de auto conhecimento, e isso sempre me causa uma grave crise existencial... porque não decorrer do processo vou questionando meus valores, minhas verdades, e acabo perdendo o referencial de tudo. Aí, preciso começar a reconstruir tudo do zero.
Construir... reconstruir...
Significar... resignificar...
Quanto tudo isso vai acabar?
As vezes é difícil, doloroso e cansativo, viver 100 anos em 10!
Sou apenas eu e meus avessos... só eu e e meus avessos... Como já dizia Raul Seixas, não que eu goste dele, mas gosto disso que ele disse: "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo."
Solidão... insconstância... medo... morte... desespero... experiências inerentes a vida do homem. Amor... saudade... felicidade... satisfação... estar com... experiências também inerentes a vida de um homem...
Vivemos em um mundo onde tudo é junto e misturado, e tudo é separado e solto e tudo junto de novo. Talvez esse seja meu mundo, e não necesssariamente O MUNDO. Mas o mundo é só um! E um só pra cada um!
Minhas idéias estão confusas hoje, mas eu me permito isso, estar aqui agora, escrevendo esse monte de abobrinha que também sou eu, um lado que nunca tinha aparecido aqui - onde todos os meus pensamentos e sentimentos são discursados de forma criptografada.
Talvez devesse parar de ser a incógnita... mas essa também sou eu... a envolvida por mistérios e sedução.
Se eu pudesse me mostrar sem necessitar de incógnitas, mistérios e criptografias... mas isso seria tão desisteressante... Que sentido teria passar dias, semanas, meses e anos ao lado de alguém a fim de conhecê-lo, se esse se mostra de forma nua?
As pessoas seriam previsíveis... constantes... monótonas.
O que me encanta no mundo e nas pessoas é esse ar de mistério que perpassa nos olhos, quando algo fica no campo do não dito...
Suportamos o insuportável, enxergamos o invisível, alcançamos o impossível, ouvimos inaudível, sentimos só aquilo que nos é permitido, permito por nós! Pagamos o impagável, mas é a sua vida, a minha vida, a nossa vida, não te deixe dizerem o que fazer, tão pouco dizer que você não é capaz. Eu posso TUDO! Só preciso acreditar nisso...

"Ela acredita em anjos e, porque ela acreditava, eles existiam". (Clarice Lispector)


A.C.S.

sábado, 26 de novembro de 2011

O desconhecido

Pensei que não sobreviveria a um mundo estranho e desconhecido... pensei que não desafiaria as leis da gravidade... pensei que não me lançaria ao acaso, sem um ponto certo, sem um cais do qual pudesse me ancorar.
Pensei tantas coisas, das quais imaginei não poder enfrentar...
Me lancei no escuro, sem ponto certo, sem cais, apenas com uma referencia incerta. Mas de uma coisa eu estou certa, a experiência valeu a pena.
Valeu levantar vôo, valeu conhecer a verdadeira capital, Brasília - Distrito Federal, valeu me hospedar na casa de quem eu nunca vi na vida, andar pelas ruas cantarolando e dançando, valeu me virar em uma cidade estranha contanto apenas com a sorte, um numero de telefone e alguns trocados.
Agora chegou hora de voltar para casa, voltar para a minha realidade, foi tão fácil ser eu mesma em um lugar onde não existe o medo com o que as outras pessoas vão pensar, porque elas não me conhecem e eu não conheço elas...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Ser quem se é

O maior desafio que já me propus a enfrentar: Ser quem se é! Ser quem eu sou...
Não existe mais regras, nem moralidade, tão pouco pudores! Apenas minhas vontades, meus desejos...
Estou me libertando das algemas do medo: medo de amar, medo de querer, medo de agir, medo de falar, medo de ver, medo de SENTIR.
Minha liberdade começou hoje, com um bilhetinho e um recadinho, para o dono de um sorriso incrível, um grito... e uma noite de prazer... prazer este que não se mostrou tão prazeroso... pois na busca de mim mesma, me descobri não ali.
Suas palavras eram doces, seu toque era suave e arrepiante... excitante!
Mas não pode ser você, aquele que me mostrará - assim como quer - o quão linda e merecedora de todo o carinho e atenção do mundo eu sou, de como mereço ser desejada e tratada com respeito e carinho...
Ser quem se é, requer coragem! Na medida em que as escolhas vão gerar consequências, das quais terceiros podem pagar... E este é um preço que não estou preparada ainda para pagar...
Mas vou me jogar na existência, e aceitar a montanha russa da vida!


A.C.S.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

E se não existisse o tempo?

E se eu tivesse um relógio... um relógio daqueles igual do Will Salas, que não marcam as 24 horas do dia, mas marcam os meus anos, meus meses, minhas semanas, meus dias, minhas horas, meus minutos e meus segundos se esvaindo...

E se eu tivesse a absoluta certeza que teria que lutar por mais um minuto de vida?

E se...
Um emaranhado de questionamentos vagam pela minha mente, um bilhão de imagens passam diante dos meus olhos, e começo a pensar no antes, no agora e no depois...
Será que mediante uma contagem regressiva eu perderia o medo de ousar ainda mais? Será que próxima da minha finitude eu faria tudo que mais desejo?
Temo aquilo que mais desejo!
Perder o controle...
"Você toca minha mão
Enquanto as cores ganham vida
No seu coração
E profundamente na sua mente
Eu cruzei a fronteira do tempo
Deixando o hoje pra trás
Pra ficar com você novamente..."¹
Aos poucos vejo o tempo escorrendo entre meus dedos, um segredo sepultado em meu coração, e uma certeza que me rasga ao meio: esse não foi, não é, e nunca será meu lugar.
Não posso estar onde não pertenço... e é somente a mim que eu pertenço
Algo deveria se quebrar... algo deveria se romper... mas estamos diate de um laço forte demais para se desfazer
E assim me mantenho
Firme como uma rocha nas margens de um rio... às margens... mas firme
"Não tente me consertar, eu não estou quebrada... Olá, eu ainda estou aqui... tudo o que sobrou de ontem..."²



¹A.C.S. 2007


² Hello (Evanescence, 2003)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Pensando em você

As vezes me pego pensando em você...
No tom da sua voz sussurrando em meu ouvido...
No toque de sua pele em minha pele...

Nos seus olhos presos aos meus olhos...
E naquele sorriso que se abre ao me encontrar!
Que sensação estranha será essa?
Que me surpreende toda vez que me encontro em seus braços...
Despertando uma onda de sensações estranhas que chega sem avisar.
Me tirando a razão, o fôlego e o ar...
Me pego racionalizando nos mil motivos para não estar com você.
Mas diante de você não existe lógica apenas sentido.

A.C.S.