quarta-feira, 25 de junho de 2014

A sós...


Somos sós...
Intimamente sós...
Não importando quão estreito sejam os laços,
Estamos sós...
Poderei eu, ter-te como me tenho? 
Centenas, dezenas de milhares de palavras,
Jamais descreveriam o íntimo de ser...
Tão pouco a ausência de nós...
A distância de sermos...
Nós... a sós...



A.C.S.

domingo, 8 de junho de 2014

Já não sei...


Já não sei se te amo ou te odeio...
Se te desprezo ou te desejo...
Pelo anonimato...
Por não me ser tão meu,
Por não me mostrar sua,
Pela negligência do insaciado desejo.
Já não sei se te quero perto ou bem longe de mim...
Pela aproximação nauseante que faz querer desejar a luxúria,
Pela dor angustiante de te ver partir,
Pelo voar das horas,
Pelo estado de plenitude ao seu lado,
Que se esvai quando não está mais aqui.
Já não sei se me declaro ou se omito mais uma vez...
Pelo eterno arrastar de uma decisão,
Por noites ao seu lado,
Por medo, amizade ou paixão.
Já não sei se o que ouço, vejo, persisto e percebo é verdade ou puro jogo de sedução...
Já não sei se sabes tão pouco de mim, como eu de você, ou se finge não saber, enquanto finge ser... 
Mas no fundo só há uma coisa que ainda sei...
"Queres estar em mim... como eu em você..."


A.C.S.