segunda-feira, 31 de março de 2014

Do dia em que a tempestade cessou



Uma vez eu disse: "depois da tempestade, vem a calmaria". E quanto mais enfrento tempestades, mais estou certa sobre a calmaria. Grandes tempestades vieram ao meu encontro, tempestades dentro de mim... Depois de muito esbravejar, pelo tempo de espera, hoje entendo que esse tempo, essa espera são necessários. É fundamental que se alicerce as estruturas intelectuais, emocionais e espirituais, e esse tempo de espera nos alicerça, fortalece nossas bases.
Hoje, a calmaria em meu interior prevaleceu, e eu entendi que a angústia, o desespero emergiram, me tragaram, me sufocaram porque minha base, meu alicerce não estava bem estruturado, estava enfraquecido, poderiam ceder a qualquer vento levemente forte.
Hoje eu entendi que conhecimento, só é bem aplicado quando existe calma, confiança em si mesmo, não apenas teoria. Também entendi que o que for meu, será meu. Todos, todos, sem exceção tem seu lugar, basta ser persistente, e mais uma vez tenho a certeza que "quem luta sempre alcança seus objetivos, mesmo que seja no final de suas vidas".
Tudo o que eu alcancei, tudo que irei alcançar, foi e será primeiro pelos méritos de Deus, depois pelo meu próprio mérito.

Do dia em que entendi algumas verdades escondidas em meu interior... Do dia em que a tempestade cessou..."

A.C.S.

quinta-feira, 27 de março de 2014

"Veja só essa manhã tão cinza..."



O dia hoje está como minha alma... cinza... e gelado! Tão nublado que é impossível a luz do sol penetrar... 
De todas coisas que eu poderia sentir, a única coisa que sinto é o ar frio, e esse vazio me corroendo por dentro... Se pelo menos fosse possível trocar de pele, trocar tudo o que há sob minha pele!
Os dias parecem todos, absolutamente todos iguais. Um filme em câmera lenta repetindo inúmeras vezes diante de meus olhos. Não sei por quanto tempo irei aguentar essas reprises, antes de enlouquecer. 
O ponteiro do relógio pulsa, num pingar de tempo inesgotável... Tempo de espera... 

"Veja só essa manhã tão cinza, a tempestade que chega é da dor dos seus olhos castanhos..."

A.C.S.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Outro dia aí...




Na vida tudo há um motivo, tudo há um porquê, para tudo há um começo, um meio e um fim. Muitas vezes nos questionamos sobre quais as razões de determinado fato, outras vezes simplesmente culpamos Deus. "Mas a verdade está sempre lá", no fundo de nosso inconsciente. Nada acontece por acaso. Bizarro pensar então que "causamos" nossas próprias tragédias, particularmente não creio nisso. Acredito que elas acontecem  não porque a desejamos, mas sim por não estarmos preparados para receber o melhor. E para tanto é necessários sobreviver às ventanias e tempestades, a fim de edificarmos nosso alicerce para o que há de vir.


A.C.S.

Um dia aí...


"- Já é tarde para fazer escolhas diferentes. Ele diz.
- Permanecer onde está já é uma escolha. Ela rebate."
Inúmeras vezes nos abstemos de escolher, por apenas comodismo. Não consigo deixar de pensar em quantas vezes permanecemos no "gozo", como diria Lacan, por acreditarmos que não podermos fazer escolhas diferentes, por permanecermos então nesse engodo, nessa repetição. Acreditarmos que estamos velhos demais para fazer algo novo, para experenciarmos a vida. Vivemos como se não houvesse sentido viver, adoecemos por perder o prazer, por permitirmos que a insegurança nos paralise!


A.C.S.