sábado, 19 de fevereiro de 2011

Perto da borda

A beira de um penhasco de repente o chão desaparece, e a sensação de queda livre parece não ter fim...
A noite noite parece não terminar, e minhas lágrimas não secar...
Uma onda de desespero e angustia assolam minha alma, o medo do escuro e do inseguro não me deixam dormir.
Logo, chego ao fim do precipício, e percebo que tanto medo era em vão... Alguém amparou minha queda, deixando em um mim um sentimento de que não estou só. De que há muita coisa pelo qual lutar. E que ainda há esperança para aqueles que não desistem de viver...


A.C.S.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Estátua de Pedra

Quem me dera tapar meus olhos e deixar de ver essa vida como um sonhador...
Quem me dera atrofiar meus sentidos e deixar de sentir o vento, o frio, o calor, a fome, a sede, o ódio, o amor... e não mais sentiria o sangue apaixonado correndo em minhas veias.
Quem me dera tapar meus ouvidos e minha boca, assim não ouviria e nem mais faria promessas. Não mais daria um sentido às palavras, nem mais as pronunciaria.
Quem me dera ser como uma fria estatua de pedra!
Assim aceitaria a vida tal como ela é, sem questionar, sem tentar entender o porquê de viver.
A vida se tornaria mais simples, porém vazia... oca... porém não mais amarga, sofrida. Mas sem sabor, sem emoção, sem sentimento, sem paixão, sem tesão.
Não mais existiria, apenas seria... alguma coisa em algum lugar, sem presente, passado ou futuro. Seria apenas coisa, sem sentido, sem valor, sem pudor.
E com a fé que tenho na crença de que o importante é ser feliz... fico apenas vagando em pensamentos, me recusando a aceitar essa vida de fria estátua de pedra. Vivendo como um sonhador, vou recusando todos os tipos de vida estereotipadas e voarei para além do que eu posso ser...

A.C.S.

Amor sem nome

Por um instante eu pensei que fosse você... meu amor sem nome...
Aquele que me daria uma razão a mais...
Aquele que traria o colorido para meus dias cinzentos...
As palavras, os gestos, as trocas de olhares...
Por instantes acreditei que aquele era o rosto do meu grande amor, ainda sem nome...
Aquele que eu já amava antes mesmo de conhecer.
Mas você está tão distante, uma distancia invisível, imperceptível.
Talvez hoje você tire sua máscara e revele sua face pela primeira vez!
Os pingos de chuva começam a cair,
Persistindo em manter o cinza em nossos dias...

A.C.S.

Delírio

Era para ser apenas mais uma aventura.
Mas eu deliro toda vez que recordo daquele toque, daquele beijo, daquele sorriso, daqueles olhos... É como se minha mente e corpo desejassem desesperadamente eternizar aquele momento.
Meus lábios sedentos por seus beijos...
Minha pele ansiando pelo contato com sua pele... morena... quente como o Sol, macia como o veludo.
Será que você anseia pelo meu toque, como anseio pelo seu?

A.C.S