sexta-feira, 20 de julho de 2012

Manto negro

Estive olhando para o céu negro por horas...
E de alguma forma, esse céu de escuridão sem fim, se assemelha a mim.
Nesse manto negro,
Pontos de luz, chamados de estrelas, não se deixam intimidar...
Não, julgo estar longe de ser uma estrela.
Mas sou como esse manto,
Que evidencia a luz que há por trás da escuridão...
Aos poucos, me sinto a vontade...
A vontade para me julgar ser como a lua.
Solitária...
Oras, cheia de si...
Oras, humilde o suficiente para mostrar aos olhos de todos sua pequenez.
Por instantes desvio o olhar...
Os faróis do carro revelam as placas de sinalização.
Placas estas, que para mim nada sinalizam!
Pois, não mostram a direção que devo seguir para ser de forma livre e plena quem sou...
Ser quem se é...
Propósito difícil de alcançar...
Caminho árduo...
Sem tréguas, nem atalhos.
E o leque de possibilidades que a vida me oferece
Me cega mais uma vez!

A.C.S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário