quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Pedaços

Outro dia, outra noite
E a mesma agonia
Me diga quem sou?
Fique comigo e por mais nada lamentaria

Mas por favor, me diga pelo menos onde estou
Porque você é o antídodo que me faz sobreviver
Quando o silêncio se torna sepulcral
E não há mais nada que eu possa crer

Mas você me cortou em mil pedaços
E mil cacos pontiagudos empurrou sob minha pele
Me deixando sangrar...
Morrendo é tudo o que estamos fazendo aqui...




A.C.S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário