domingo, 28 de setembro de 2014

Vinte e poucos anos


Nós vamos envelhecendo e aprendendo a importância da autonomia, de sermos protagonistas da nossa própria história. Vamos aprendendo o valor de se fazer as coisas que nos dão prazer na vida, prazer em viver e se sentir vivo.
Com o passar do tempo, com alguns anos a mais, as olheiras surgem com mais facilidade conforme suas horas de sono são perdidas, e você passa a gostar mais de estar consigo mesmo, e sair sozinho já não parece mais o fim do mundo.
Com o transcorrer das horas, nos percebemos mais intolerantes com certos tipos de coisas, mais exigentes com os outros e consigo mesmo. E o número de amigos começam a diminuir, e a frequência com que você passa um certo tempo com eles diminuem mais ainda, até que você entende que eles também estão crescendo, que eles também estão envelhecendo, e que os propósitos de hoje, já não são os mesmos de ontem, e que a falta de tolerância na verdade é maturidade, é objetividade, é menos dúvidas e mais certezas.
As horas, os dias, o anos, as olheiras, as rugas, trazem experiência, conhecimento... Nós precisamos enxergar oportunidades  nos jardins áridos que nos rodeiam, e saber agarrá-las, pois com "os anos a mais" que vamos adquirindo percebemos que já não temos mais todo tempo do mundo e que viver agora é uma urgência.


None

Nenhum comentário:

Postar um comentário