quinta-feira, 15 de julho de 2010

Egoísmo

Sinto falta de você.
Mas o que sinto falta é de tudo o que é seu e me falta.
Sinto falta de minhas faltas que em você não faltam.
Sinto falta do que eu gostaria de ser e que você já é.
Estranho jeito de carecer, de parecer amor.
Hoje, neste ímpeto de honestidade que me faz dizer,
Eu descobri minhas carências inconfessáveis que insisto em manter veladas.
Acessei o baú de minhas razões inconscientes
E descobri um motivo para não conitnuar mentindo.
Hoje eu quero lhe confessar o meu não amor, mesmo que pareça ser.
Eu não tenho o direito de adentrar o seu território
Com o objetivo de lhe roubar a escritura.
Amor só vale a pena se for para ampliar o que já temos.
Você era melhor antes de mim, e só agora posso ver.
Nessa vida de fachadas tão atraentes e fascinantes;
nestes tempos de retirados e retirantes, seqüestrados e seqüestradores,
A gente corre o risco de não saber exatamente quem somos.
Mas o tempo de saber já chegou.
Não quero mais conviver com meu lado obscuro,
E, por isso, ouso direcionar meus braços
Na direção da dose de honestidade que hoje me cabe.
Hoje quero lhe confessar meu egoísmo.
Quem sabe assim eu possa ainda que por um instante amar você de verdade.
Perdoe-me se meu amor chegou tarde demais,
Se meu querer bem é inoportuno e em hora errada.
É que hoje eu quero lhe confessar meu desatino,
Meu segredo tão desconcertante:
Ao dizer que sinto falta de você
Eu sinto falta é de mim mesmo.

Padre Fábio de Melo


É comum confundirmos o amor com a projeção... No ato de se apaixonar projetamos no outro tudo aquilo que idealizamos para nós. O amor vem com a convivência. Quando projetamos no outro o que nos falta, ali vemos a chave para completude. Assim, nos iludimos na esperança que o outro nos dê aquilo que nos falta. Ledo engano! Pois o que é do outro jamais será nosso. O amor não foi feito
para suprimir, mas sim para aperfeiçoar.

Somos um eterno "vir-a-ser", em constante construção, seres inacabados, por isso somos seres faltosos também. Desse modo é preciso nos aceitar tal como realmente somos, sem idealizações, para que assim possamos aceitar e ser aceito pelo outro. Isso é amor... Aceitação incondicional! Aceitar-se e aceitar o outro para que possamos nos aperfeiçoar e nos desenvolver de maneira plena nesse processo.

Precisamos nos ver por outra ótica, vermos que não existem qualidades em uns e defeitos em outros, o que existe são características singulares de cada um, nos diferenciando uns dos outros. A partir de uma nova visão poderemos projetar menos e amar mais... Transformar o amor ideal em real...


* Projeção: Em psicologia, projeção é um mecanismo de defesa no qual os atributos pessoais de determinado indivíduo, sejam pensamentos inaceitáveis ou indesejados, sejam emoções de qualquer espécie, são atribuídos a outra(s) pessoa(s). De acordo com Tavris Wade, a projeção psicológica ocorre quando os sentimentos ameaçados ou inaceitáveis de determinada pessoa são reprimidos e, então, projetados em alguém.

Acredito que a projeção não para por aí. Projetamos o tempo todo, vemos o mundo externo a partir do nosso mundo interno, portanto projetamos (atribuímos ao outro) tanto conteúdos negativos, como conteúdos positivos.




A.C.S.

Nenhum comentário:

Postar um comentário